sábado, 15 de Novembro de 2008

O Crisma: catequese para adultos

As edições Paulinas publicaram em 2000 o pequeno opúsculo O Crisma: catequese para adultos, uma adaptação para Portugal de Catequese para adultos – O Crisma, publicado no Brasil em 1995.

É um dos muitos materiais disponíveis para preparação imediata do Crisma, mas não satisfaz.

Olhando para a capa e depois folheando, a primeira impressão com que ficamos é de que este não é um material para adultos, como propõe o título, pois o grafismo é de todo muito infantil, mas lendo a introdução vemos que de facto este é um material destinado a “si que por qualquer circunstância, não tenha sido crismado na adolescência”. Logo, é um material destinado para adultos, podemos concluir. Lendo com alguma atenção rapidamente ficamos convencidos do contrário. Os conteúdos são apresentados de uma forma bastante simples, o que em certos casos pode até mesmo ser encarado como uma ofensa à inteligência do leitor, na medida em que a infantiliza.

Falta também a este livro uma componente prática, pois apesar da sua simplicidade, tudo se processa de forma muito teórica, faltando o contacto real com aquilo que é teorizado. As experiências práticas apresentadas são desadequadas, pois dizem respeito ao contexto brasileiro tão distante do nosso.

Este material peca ainda pela sua brevidade. Pretende preparar o crisma muito rapidamente, o que leva a que se excluam algumas temáticas de suma importância, como a História da Igreja, a sua Doutrina Social, a Escatologia e a Sacramentologia. Além disso, sabemos bem que este tipo de subsídios que pretendem simplificar ao máximo não proporcionam uma verdadeira conversão, pelo que o Crisma acaba por se tornar aqui num ritual desligado do seu verdadeiro sentido.

Concluindo, podemos dizer que O Crisma: catequese para adultos não é o material mais adequado para quem se prepara para celebrar o Crisma, pois é bastante incompleto e pouco rigoroso. No entanto pode ser um material a ter em conta, não para ser usado em exclusivo, mas como complemento, se bem que com as devidas adaptações ao nosso contexto concreto. 

Sem comentários: